HVS promove a cultura da segurança do paciente

Data da publicação: 01/06/2012 Autor: admin

Desde os primórdios da medicina, a segurança do cuidado ao paciente tem sido motivo de preocupação. Segundo o Instituto Qualisa de Gestão (IQG), o princípio de “não-maleficência” já era familiar ao próprio Hipócrates, a quem foi atribuído o célebre aforisma: “Primum non nocere” (Em primeiro lugar, não prejudicar o paciente). Entretanto, somente nas últimas décadas o tema tem sido amplamente discutido.

Atualmente, o Institute of Medicine admite que cerca de 44 mil a 98 mil americanos morrem a cada ano em função de eventos relacionados à assistência à saúde, dado que é comparado por  Robert Wachter, expert em segurança do paciente, à queda de um jumbo por dia nos Estados Unidos.

Diante desses fatos, o Institute Healthcare Improviment (IHI) foi criado em 1991 e, desde então, tem sido responsável por notórias campanhas internacionais de segurança do paciente. No Brasil, o instituto é um dos apoiadores do o Programa Brasileiro de Segurança do Paciente (PBSP), lançado no último ano em parceria com o IQG. “O Hospital Vila da Serra é um dos 12 hospitais líderes dessa campanha, que está em sua segunda etapa e conta com 48 hospitais interligados em rede integrada”, conta Renata Macedo,gerente do Escritório da Qualidade.

Para o autor de obras sobre Segurança no Trabalho, J. Human Reason, a premissa básica na abordagem do sistema é que os seres humanos são falíveis e os erros são esperados, mesmo nas melhores organizações. De acordo com ele, contramedidas são baseadas no pressuposto de que, embora não seja possível mudar a condição humana, é possível mudar as condições em que os seres humanos funcionam.

Nesse sentido, o Hospital Vila da Serra vem investindo fortemente na gestão de riscos clínicos e não clínicos. Adotam-se como ferramentas de notificação a eventos indesejáveis e situações perigosas, urnas estrategicamente espalhadas pelo hospital.  Todas as outras formas de notificação, como e-mail, telefone e abordagem direta também são admitidas.  A ideia é conhecer e intervir nas fragilidades de processo que possam afetar direta ou indiretamente na segurança dos pacientes.

Todos os eventos notificados são avaliados primeiramente pelo setor responsável e depois por uma equipe multidisciplinar liderada pelo diretor clínico do Grupo de Gerenciamento de Riscos. “O recebimento de um evento para análise deve ser encarado não como atribuição de culpa, mas  como uma oportunidade de avaliar os fatores que contribuíram para sua ocorrência”, ressalta Renata.

A premissa é a de que uma organização prestadora de serviços de saúde constitui-se em um conjunto de seguranças assistenciais e administrativas que se fortalecem mutuamente, com o propósito de transmitir uma imagem de confiabilidade para os clientes/pacientes, profissionais de saúde e o público em geral.

Ainda há um longo caminho a ser percorrido na Gestão de Riscos em Saúde, mas o Hospital Vila da Serra pretende se posicionar entre os desbravadores, contando com a compreensão e a participação de todos os agentes envolvidos.

Autor do artigo: Renata Macedo gerente do Escritório da Qualidade do HVS.

Receba Conteúdo exclusivo do Hospital Vila da Serra em seu e-mail.