Acesso Rápido

Sexualidade feminina e qualidade de vida

A sexualidade é uma condição que envolve toda a vida de uma pessoa. Inicia-se na infância, sendo construída na adolescência e manifestada diferentemente nas várias etapas da fase adulta.  A Organização Mundial de Saúde reconhece a sexualidade como um dos pilares da qualidade de vida, sendo um aspecto central que perpassa por toda a vida do ser humano. Ela abrange a relação sexual, o prazer, o erotismo, a orientação sexual e a reprodução. É expressa e percebida por pensamentos, desejos, fantasias, intimidade, comportamentos, valores e relacionamentos. Todos os indivíduos têm garantido o direito à saúde sexual, definida como um estado de bem-estar emocional, físico e social relacionado à sexualidade. Mas para uma boa saúde sexual é importante uma interação de fatores biológicos, psicológicos e sociais. Dessa forma, a qualidade da saúde sexual pode exercer uma enorme influência no bem–estar e na qualidade de vida de uma mulher.

Sabe-se que a medicina sexual teve um importante avanço nestes últimos anos, principalmente no que diz respeito à saúde sexual feminina. O novo modelo da Resposta Sexual Feminina (RSF) atualmente aceito, enfatiza a importância da intimidade emocional com o parceiro e a satisfação da própria percepção de desejo e ou necessidade sexual. O modelo é cíclico, constituído por quatro domínios: desejo, excitação, orgasmo e satisfação. No entanto, a RSF inicia-se por um estado de neutralidade sexual e não pelo desejo espontâneo. Essa informação permitiu que diversas pesquisas envolvendo a neurociência compreendessem como ocorre essa resposta. (Veja desenho)

Sabe-se que a fisiologia da resposta sexual é complexa, dinâmica e ainda não está completamente esclarecida.  Fatores anatômico, neuroendócrinos e hormonais estão envolvidos. Os principais fatores anatômicos são os órgãos genitais pélvicos (vulva, vagina e clitóris), as estruturas internas da pelve, o sistema nervoso periférico e o sistema nervoso central, incluindo principalmente o hipocampo, o hipotálamo, o sistema límbico e a área pré-óptica medial. Neuropeptídios como a serotonina, a dopamina, a noradrenalina, as melanocortinas, a ocitocina, os endocanabiontes, os opióides, o óxido nítrico e o peptídeo intestinal vasoativo são fatores neuroendócrinos. Já os esteróides sexuais, principalmente o estrogênio e a testosterona, são essenciais na resposta genital e no funcionamento normativo do ciclo.

A resposta sexual pode ser iniciada a partir de um incentivo, como a intimidade com o parceiro, a capacidade de sentir atraente ou atraída, um ambiente, uma fantasia ou um estimulo físico (beijo, toque e carícias). Ao identificar estímulos sexuais, o cérebro libera mediadores excitatórios, gerando uma resposta sexual positiva e crescente. Esses estímulos desencadeiam alterações neuroquímicas nas regiões cerebrais, liberando neuropeptídios excitatórios (dopamina, melanocotinas, noradrenalina e ocitocina) que estão vinculados às ações dos esteroides sexuais. Em seguida, ocorre a deflagração de neurotransmissores pelo sistema nervoso autônomo, o que provoca alterações físicas generalizadas no organismo, preparando-o para o ato sexual. A excitação é caracterizada  por miotomias, vaso congestão pélvica, aumento da lubrificação vaginal, maior sensibilidade cutânea, ereção dos mamilos e alteração da frequência cardíaca e pressão arterial. Os órgãos  genitais sofrem  mais transformações com a  liberação do óxido nítrico e do polipeptídio intestinal vasoativo (VPI) pelos nervos parassimpáticos. A parede vaginal fica congesta, o útero é deslocado para cima ampliando o canal vaginal e  o clitóris torna-se proeminente e mais sensível.

Quando mantido e intensificado, esse estímulo promove contrações rítmicas e involuntárias do períneo, com a liberação súbita da tensão sexual, que desencadeia o orgasmo e a liberação de mediadores inibitórios (opióides, endocanabiontes e serotonina) e promove a saciedade e a satisfação sexual.

Fatores e consequências da disfunção sexual feminina

Uma alteração anatômica, um desequilíbrio neuroendócrino ou uma diminuição dos esteróides sexuais pode levar à disfunção sexual feminina (DSF), condição prevalente que afeta milhares de mulheres em todo o mundo. Consequentemente, há um sofrimento pessoal que interfere na qualidade de vida da mulher e do casal. Em 2010, o WISHES (Women’s International Study of Health and Sexuality), avaliou milhares de mulheres entre 20 e 70 anos e constatou que 43% delas possuíam queixas sexuais, sendo a diminuição do desejo um dos distúrbio mais citados.

De acordo com o Consenso de Paris em 2004, a DSF foi definida como uma desordem persistente e recorrente no desejo/interesse sexual, na excitação subjetiva e genital, no orgasmo e/ou dor ou uma dificuldade para permitir ou completar a relação sexual. Ela foi categorizada em quatro subgrupos: disfunção do desejo, disfunção da excitação, disfunção do orgasmo e disfunção da dor sexual.

A disfunção do desejo

Corresponde ao  Distúrbio do Desejo Sexual Hipoativo (HSDD) e à Aversão Sexual. O HSDD é definido como a deficiência persistente ou recorrente ou a ausência de fantasias sexuais, pensamentos ou receptividade à atividade sexual. A mulher relata a indiferença ao interesse ou ao estímulo sexual, que não é justificada por uma condição médica, psiquiátrica ou relacionada a uso de medicação.  Por outro lado, a Aversão Sexual é persistente ou recorrente e gera fobia e repulsa de qualquer tentativa de contato sexual.

A disfunção da excitação

Incapacidade persistente ou recorrente de atingir ou manter excitação sexual suficiente. É classificada em quatro subtipos: subjetiva, genital, combinado e persistente.

  • O transtorno da excitação subjetiva é caracterizado pela ausência ou pela diminuição acentuada dos sentimentos de estimulação da excitação a partir de qualquer tipo de estímulo (beijo, carícias e fantasia), embora haja presença de lubrificação genital.
  • No transtorno da excitação genital ocorre uma diminuição ou ausência da vaso congestão vaginal e, consequentemente, da lubrificação, após qualquer tipo de estímulo sexual, seja ele físico ou mental. O órgão genital não responde ao estímulo e à motivação sexual.
  • O transtorno de excitação combinado é definido pela ausência ou diminuição da excitação sexual genital (lubrificação genital e consequente vaso congestão pélvica), juntamente com a ausência ou diminuição dos sentimentos de estimulação da excitação sexual.
  • O transtorno de excitação persistente ocorre quando sensações espontâneas e indesejáveis de excitação sexual (formigamento, dormência, congestão, lubrificação e contrações vaginais) estão presentes mesmo na ausência de pensamentos conscientes de desejo sexual e/ou de estímulo sexual.

Disfunções do orgasmo

Dificuldade persistente ou recorrente em atraso ou ausência de atingir orgasmo após suficiente estimulação sexual e excitação, causando angústia pessoal.

A disfunção da dor sexual

Destacam-se a dispareunia e o vaginismo. A dispareunia é a dor persistente ou recorrente relacionada ao ato sexual, sentida durante a penetração ou o coito. O vaginismo é caracterizado por uma contração involuntária e recorrente dos músculos perineais, principalmente do terço externo da vagina, na tentativa da penetração vaginal com pênis, dedo ou qualquer objeto.

A Medicina Sexual é um campo promissor em termos de pesquisas científicas para a criação de estratégias de abordagem da sexualidade feminina. Elas visam a prevenção e o tratamento das disfunções sexuais. O bom funcionamento dos fatores biológicos, psicológicos, como também uma boa relação conjugal contribui para um bem-estar pessoal e uma boa saúde sexual.

Dra. Fabiene Vale, médica ginecologista especialista em sexologia.

Leia também:
  • Como se livrar do intestino preso?

    O funcionamento do intestino não é o mesmo para todos. Em algumas pessoas, o relógio biológico bate no mesmo horário, todos os dias. Já para outras, há o sofrimento com o incômodo problema chamado intestino preso. A causa mais comum da prisão de v...

  • Aleitamento materno: uma atitude que salva e molda vidas

    Cleonice Liboreiro Motta Ferrari, coordenadora do Centro de Incentivo ao Aleitamento Materno do  HVS (CIAMA) O leite materno é o único alimento específico para o ser humano.  Portanto, ele é a base de alimentação da criança e o único alimento necess...

  • Envelhecimento da população no Brasil aumenta a demanda pela prótese de quadril

    Pessoas com idade acima de 60 anos que sofrem de osteoartrose são as principais candidatas ao uso da prótese de quadril, uma demanda crescente nos serviços de saúde do país em função do envelhecimento da população. A técnica consiste na substitui...

Compromisso e Qualidade

Certificação internacional

Vídeo Institucional

Veja nosso vídeo institucional

HVS no Facebook

Curta nossa página no facebook

Qualidade, confiabilidade e excelência tornam o Hospital Vila da Serra Acreditado Nível 3 ONA e Certificado Internacionalmente pelo Qmentum Internacional.

Selo Acreditado

Saiba mais sobre as certificações do
Hospital Vila da Serra.

Tratamento humanizado, aliado à dedicação e atenção aos seus pacientes fazem do Hospital Vila da Serra um centro de referência no atendimento à mulher, à criança e à toda a família.


Alameda Oscar Niemeyer, 499 - Bairro Vila da Serra
CEP 34006-056 - Nova Lima - MG - Tel.: (31) 3228-8100
2017 © Hospital Vila da Serra. Todos os direitos reservados.
Antônio Eugênio Motta Ferrari
Diretor Técnico
CRM MG12794
Desenvolvido por SPARTA INTERATIVA - Agência de Marketing 360