Acesso Rápido

Jaleco: O grande vilão?

Motivo de grande polêmica, a proibição  do uso de jalecos e aventais de profissionais  de saúde em ambientes extra-hospitalares foi votada e aprovada pela Câmara de Vereadores de Belo Horizonte. Cabe ressaltar que, embora a lei tenha sido sancionada pelo prefeito Márcio Lacerda, foram vetados  os artigos que tratam de multas e punições aos profissionais  da saúde.

A principal argumentação a favor é a de que essas vestimentas poderiam propagar bactérias hospitalares em locais públicos como bares, lanchonetes e restaurantes, colocando em risco a saúde da população. Embora  haja opiniões divergentes  entre os especialistas, há uma tendência a se considerar obsoleta e ineficiente a referida lei.

Algumas das justificativas são:

  • É real o fato de que o vestuário médico pode abrigar germes hospitalares, eventualmente multirresistentes, por um período variável de tempo.  Entretanto, não há qualquer publicação científica metodologicamente relevante, relacionando a dispersão extra-hospitalar desses germes e o adoecimento de grupos de pessoas na comunidade;
  • Na verdade, praticamente não há dados científicos que incriminem as roupas dos profissionais de saúde como fonte de surtos de infecções hospitalares. Além disso, a proibição apenas de jalecos e aventais seria medida insuficiente, visto que a lei não estende a proibição para a circulação com calças, camisas, jaquetas, sapatos e demais indumentárias do vestuário médico, os quais também podem, com a mesma eficiência, albergar germes hospitalares.
  • Finalmente, o foco em tal proibição acaba por minimizar as atenções sobre outras atividades que trazem maior risco para transferência interpessoal de micro-organismos patogênicos, como a higienização adequada das mãos, por exemplo.

Provavelmente, o principal benefício da lei não será uma maior segurança da população, mas sim, tornar os ambientes extra-hospitalares de encontro e recreação da sociedade visualmente menos poluídos, tornando-os mais agradáveis para o convívio social.

Autor: Dr. Estevão Urbano, coordenador da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do HVS.

Leia também:
  • Envelhecer apenas não basta

    Vida saudável na terceira idade depende de cuidados especiais com as feridas Em termos de expectativa de vida, o Brasil ainda está longe de países como o Japão e Canadá, onde a população alcança 82,6 e 80,9 anos respectivamente. Mas não há como nega...

  • Pulseira de Identificação para pacientes internados

    Como diferencial, o HVS utiliza pulseiras de identificação em todos os pacientes internados. Além da pulseira branca, padrão para todos os pacientes, o hospital identifica os pacientes especiais com pulseiras coloridas. A pulseira laranja sinaliza pa...

  • A importância da Cintilografia Óssea na identificação precoce de tumores cancerígenos

    Todos nós conhecemos pessoas que têm Câncer e também pacientes que morreram vítimas da doença, que atinge adultos, idosos e crianças. Por essa razão, as campanhas educativas de prevenção são crescentes e estão no calendário de diversas entidades da á...

Compromisso e Qualidade

Certificação internacional

Vídeo Institucional

Veja nosso vídeo institucional

HVS no Facebook

Curta nossa página no facebook

Qualidade, confiabilidade e excelência tornam o Hospital Vila da Serra Acreditado Nível 3 ONA e Certificado Internacionalmente pelo Qmentum Internacional.

Selo Acreditado

Saiba mais sobre as certificações do
Hospital Vila da Serra.

Tratamento humanizado, aliado à dedicação e atenção aos seus pacientes fazem do Hospital Vila da Serra um centro de referência no atendimento à mulher, à criança e à toda a família.


Alameda Oscar Niemeyer, 499 - Bairro Vila da Serra
CEP 34006-056 - Nova Lima - MG - Tel.: (31) 3228-8100
2018 © Hospital Vila da Serra. Todos os direitos reservados.
Antônio Eugênio Motta Ferrari
Diretor Técnico
CRM MG12794
Desenvolvido por SPARTA INTERATIVA - Agência de Marketing 360